Vidabrasil circula em Salvador, Espírito Santo, Belo Horizonte, Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo Edição Nº: 329
Data:
15/6/2003
Capa | Edições anteriores| Assine já | Fale com a redação
Página visitada: 1859222 vezes
» Índice
» Editorial
Que PT É ESSE?
» Momento 1
Momento especial para Anna Carolina Mathias,que foi a Salvador e teve a sorte de encontrar o ídolo Bell Marques.
» Ponto de Vista
Waldemar Nielsen analisa a difícil situação econômico-financeira por que passa a aviação brasileira
» Aqüicultura
Al Mare
» Turismo
Austrália, o mais antigo continente do mundo e um dos mais atrativos pontos turísticos do planeta
» Turisnotas
Vasp 70 anos
» Triângulo
Teatro Carlos Gomes é reaberto ao público depois das obras de recuperação patrocinadas pela CST
» Serviço
SACAR A ROLHA
» Autos
Lançado em Genebra, novo Mitsubishi Outlander marca uma nova imagem para o construtor japonês
» Passarela
Em Brasília, os 15 anos de Lavinia, para alegria dos pais deputado Jutahy Magalhães e sua Jaqueline
» Curiosidade
THE MATRIX RELOADED  
2500 planos são mentira

» Foco
Eternos tesouros
» Comportamento
Baton com graxa
» Prazer
De maior
» Morar
O ninho de Loris
» Bahiainfoco
com arte por todos os lados
» Boca miuda
Uma bomba!
Serviço

1- Tirar o papel de embrulho  
Respire fundo e retire o invólucro, mas apenas a parte que envolve a rolha. Não tente tirar o papel que está agarrado ao vidro suas unhas. É apenas uma questão de estética.  
2- Dedo mágico  
É bom que segure sempre a rolha com o polegar enquanto desenrola o arame. É que o pedaço de cortiça está sob pressão e você não vai querer acabar com o lustre da sala ou ficar cego só porque a rolha saltou antes do tempo.  
3- Ângulo certo  
Vá buscar um esquadro e incline a garrafa a 45 graus. Agarre a rolha com unhas e dentes e comece a rodar a garrafa, devagarinho.  
4- O clímax  
Quando sentir a rolha a querer saltar, pare de rodar a garrafa. Não agite, isso só vai fazer com que perca as bolhas. Ao colocar o líquido no copo, incline-o também, para que não faça espuma demais".  
 
GOLPE DE SAMURAI  
 
Abra a garrafa como os soldados de Napoleão.  
Esta prática consiste na utilização de um sabre para remover não só a rolha como o próprio pescoço da garrafa. A técnica é deixar o champanhe descansar e arrefecer durante um mínimo de 24 horas. Depois, segurando a garrafa a 40 centímetros do seu peito aponte uma espada ao pescoço (da garrafa, claro!). Finalmente, aplique um golpe firme e rápido e passe a servir o champanhe. Foi mal? Vá ao supermercado e compre outra!  
 
DISTINGUIR A UVA DA PARRA  
Saiba a diferença entre um Brut e um Demi-sec?  
Importante agora é que você aprenda a distinguir o Brut das outras categorias que pode encontrar numa garrafa de espumante. Mas não se assuste, porque é simples: não passa de uma diferença de adição de açúcar durante o processo de fabricação. Ou seja, o Extra Brut é o mais amargo (porque leva pouco açúcar, claro) e, em seguida, tem o Brut - um dos mais vendidos e menos doces. Daí para frente, vai em busca do ponto de rebuçado: Demi-Sec é docinho, o Séc é doce e o Doux, muito doce. Percebeu?  
Vamos agora aos topos de linha. Como perceber o que é melhor entre a imensidão das garrafas nas prateleiras? Não sabemos! Ou melhor, é preciso conhecer com rigor as várias marcas no mercado, e conhecer quais as garrafas de melhor qualidade. O nome técnico destes vinhos com bolhas é "Prestige Couvées". Se tiver essa designação sobre uma prateleira de champanhes, já sabe que o que está lá é o top of the tops. De resto, o melhor conselho mesmo é ir pelo preço (quanto mais caro, melhor). Vai que se sai bem. Pode ainda optar pelo champanhe rosé, uma variação que, ao contrário do que se possa pensar, não é o mais doce que o espumante tradicional. O que o distingue é que é feito a partir de uvas negras que são pisadas enquanto ainda conservam a película que lhes dá a cor. Pergunta pertinente: quem é que as pisa, ó senhores que produzem champanhe?  
 
SERVIR UM ESPUMANTE  
Decantar, aqui, é palavra proibida. Aprenda, que não duramos para sempre  
Em casa pode guardar a garrafa na geladeira, uma vez que deve ser consumida a seis graus. Não vale a pena salvar o champanhe depois de aberto durante mais de dois dias (já sabe que pode levar os restos do Moët &Chandon para casa na próxima festa que for). Quando levar a garrafa para a mesa, não se esqueça do frappé para mantê-la bem fresca.  
Quanto aos copos, esqueça as taças moldadas pelos seios da Pamela Anderson. Não sabe o que são? Tssss! São aquelas taças onde você serve salada de fruta. Portanto, copo certo são as flûtes. Só eles permitem apreciar os cordões de bolhas que se formam ao colocar o vinho no copo. Os mais exigentes podem ainda impressionar com flûtes de cristal próprios para champanhe, já que estimulam a formação das tão apreciadas bolhas. Quando servir, não se esqueça de inclinar ligeiramente o copo segurando-o pelo pé ou pela base. Coloque champanhe apenas até a metade do copo (você não está num bar). Dizem os especialistas que não se deve utilizar detergente na lavagem dos copos, mas a não ser que você possa comprar sempre flûtes e copos de cristal, o melhor é lavar com pouco detergente e água bem quente.  
 
FALAR BEM O CHAMPANHÊS  
Previna-se, não vá ao patrão pedir-lhe que escolha o champanhe para a festa de natal  
Champanhe ou espumante?  
É quase a mesma coisa, jovens. Espumante é a bebida, champanhe é a origem. Portanto, sempre que comprar champanhe você estará levando para casa uma garrafa de espumante que vem dessa região do norte da França. Se comprar espumante, é o mesmo, mas não vem do norte da França.  
 
Afrodisíaco ou não?  
Será afrodisíaco para quem tenha um gosto especial pelo luxo. Por isso mesmo os melhores amigos do champanhe são as ostras e o caviar - ou seja, não há nenhuma química entre a bebida e a comida. O mesmo se passa com os morangos - é apenas uma questão de bom gosto. Resumindo, o champanhe é tão afrodisíaco como outra bebida alcóolica qualquer. Claro que imitar a Marilyn Monroe e encher uma banheira com 350 garrafas de champanhe e convidar a Luana Piovani para um banho de luxo é afrodisíaco para qualquer um.  
 
Mas porque é uma bebida  
tão cara?  
Por causa do seu modo de produção. O champanhe é produzido a partir de um vinho branco feito especialmente para ser espumantizado. O vinho é colocado dentro de uma garrafa e obrigado a uma segunda fermentação (todos os vinhos, como se sabe, passam por um processo de uma única fermentação). O objetivo desta segunda fermentação, portanto, é obrigar o vinho a produzir gás carbônico. Como? Lançando uns bichinhos (a expressão é técnica, e daí?) que se alimentam do açúcar. Este processo, que é feito dentro da garrafa - fechada - produz as célebres bolhinhas. Vale a pena dizer que nesta fase, a garrafa é fechada com uma carica e deixada em repouso. A rolha vem depois. O champanhe de maior qualidade chega a ficar em cave durante mais de dez anos. O normal fica repousando cerca de três anos.  
 
Bebidas de festa ou posso servir ao almoço?  
O champanhe é sempre associado a grandes festas e comemorações. Nestas situações, nem o vinho é de grande qualidade nem as pessoas o apreciam verdadeiramente. O champanhe pode servir perfeitamente como aperitivo e até permite uns amendoins.


Boris, um pouco antes de cair no rio
Prepare suas flûtes, rapaziada
It´s a Sony!
O diretor passou

Copyright © 2001, Vida Brasil. - Todos os direitos reservados.