Vidabrasil circula em Salvador, Espírito Santo, Belo Horizonte, Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo Edição Nº: 319
Data:
30/11/2002
Capa | Edições anteriores| Assine já | Fale com a redação
Página visitada: 1374646 vezes
» Índice
» Autos
Motores colossais  

» Turismo
O triângulo delirante de Dali
» Luxo
O refúgio do estilista  
Giorgio Armani  

» Editorial
Entre o sonho e a realidade
» Turisnotas
O Blue Tree Tower Brasília, único resort urbano do país, oferece pacotes por preços imbatíveis
» Passarela
A jornalista Alexandra Isensee passeia pelos mais importantes acontecimentos da sociedade soteropolitana
» Boca Miuda
No Estado da Bahia, a quebra de respeito a algumas leis é um flagrante atentado à cidadania
Boca Miuda

Terra sem lei  
A Bahia é, realmente, uma terra diferente. Mistura beleza, descontração e uma boa dose de desobediência civil – para não dizer impunidade.  
No feriadão da República, muitos capixabas visitaram a boa terra e puderam constatar alguns fatos, tais como:  
– a BR 101 encontra-se em péssimo estado, diferentemente do trecho no Espírito Santo;  
– os preços em Porto Seguro, muito altos, não são compatíveis com os serviços prestados, muito ruins;  
– a lagosta é pescada livremente, apesar da proibição nessa época do ano;  
– a gasolina é a mais cara do País – chegava a R$ 2,30 em Itabuna;  
– a obrigatoriedade de afixação do preço do combustível nas tabelas em frente aos postos não é respeitada;  
– em Oriente, entre Itabuna e Itamaraju, moradores comercializam macacos, papagaios e outros pássaros na maior cara limpa, e impunemente, na beira da BR.  
 
Performance do vice  
Lelo Coimbra (PSB), o vice-governador eleito do Estado, está se saindo melhor do que a encomenda. Numa palestra para pequenos empreendedores, promovida pela Federação das Associações Comerciais, ele deixou encantados os participantes por seu preparo para a função.  
Não é sem motivos que o governador eleito Paulo Hartung o deixa solto. Representa muito bem o titular, o que comprova que Lelo deverá ser talvez o homem mais forte do futuro governo.  
 
Crioulo doido  
Viraram samba do crioulo doido as articulações em torno da eleição da nova mesa diretora da Assembléia Legislativa, apesar de o pleito ser apenas daqui a 70 dias.  
O grupo dos nove, que chegou a ter 11 deputados, voltou a ter nove, com a saída do Cabo Élson (PDT) e de Euclélio Sampaio, dois deputados eleitos em primeiro mandato.  
Em contra-partida, surgiu um novo grupo, reunindo deputados do PDT-PT-PL.  
Só quem está quietinho, até porque está levando bordoada de todos os lados, é o atual presidente, deputado José Carlos Gratz (PFL).  
 
Dois pesos  
Política é mesmo muito curiosa.  
Michel Temer, presidente nacional do PMDB, andou dizendo que intervenção é arbítrio. Há pouco mais de um ano, porém, para atender aos interesses do casal Camata, ele decretou intervenção no diretório regional do partido no Espírito Santo, destituindo Marcelino Fraga e colocando a deputada Rita no cargo.  
Agora, Marcelino vai ser deputado federal e Rita, derrotada como vice-presidente de José Serra, volta para casa.  
 
Tropeço nas pernas  
O Tribunal de Contas do Espírito Santo resolveu auditar os contratos das consultorias contratadas pelo governo, principalmente no apagar das luzes.  
Uma dessas empresas foi contratada pela Secretaria da Fazenda para receber R$ 20 mil por dia ao longo de 45 dias. Funciona na sala de um apartamento residencial no centro da capital.  
 
Pedaço do quinhão  
O PT capixaba, que nunca conseguiu dar uma mordida no quinhão federal, já encostou no presidente Lula da Silva para reivindicar a parte que lhe toca no latifúndio dos cargos do governo federal no Estado.  
A velha prática da partilha entre a bancada federal pode até ser mantida, desde que a porção petista fique com a melhor parte.  
Tem gente que vai dançar.  
 
Apenas coincidência  
O jornalismo de hoje em dia tem dessas coincidências.  
As reportagens sobre a cassação do registro da candidatura do deputado José Carlos Gratz (PFL), publicadas por alguns veículos de comunicação, principalmente nacionais, tinham incríveis coincidências: alguns períodos chegavam a ser exatamente idênticos, o que faz pensar – e apenas pensar, é claro – que a fonte dessa chamada grande imprensa foi a mesma, até com o texto chegando prontinho.  
As coincidências eram maiores quando tratavam do fato de Gratz e o futuro governador Paulo Hartung serem adversários políticos.  
 
Rotativo pago  
A Prefeitura de Vitória já bateu o martelo: vai implantar o estacionamento rotativo pago na Cidade Alta, com a concordância ou não dos moradores.  
O que a administração da capital admite fazer é criar um selo a ser colocado nos carros dos moradores, que não têm garagem, isentando-os do pagamento para estacionar.  
O trânsito hoje na região é uma zona, no pior sentido da palavra.  
 
Futuro prefeito  
Especula-se em bem informados setores da política nacional que o ministro do Planejamento, Guilherme Dias, é o candidato preferido do prefeito Luiz Paulo Vellozo Lucas (PSDB) para sucedê-lo na capital capixaba.  
Preferido de Luiz Paulo e do governador eleito Paulo Hartung.  
Isso pode dar liga.  
 
Fé na economia  
O governador eleito Paulo Hartung (PSB) compartilha com o presidente da CST, José Armando de Figueiredo Campos, que enfatizou como fé no Brasil a inauguração do Laminador de Tiras a Quente (LTQ).  
“Estamos vivendo um momento de incertezas, mas isso é mais externo que interno. Estamos vivendo a primeira grande crise do capitalismo globalizado, em todas as economias, até na norte-americana, com toda a sua pujância. Um investimento como este da CST, fabricando bobinas de aço, significa coragem, determinação e fé no futuro do Brasil. Fico feliz que isso esteja acontecendo no nosso Estado, a exemplo da inauguração da Fábrica C da Aracruz Celulose”.  
 
Fim da reeleição  
Circulam em Brasília rumores de que setores muitíssimo influente do PT já negociam um grande acordo político que resultaria numa emenda constitucional dando ao Presidente da República, a partir de Luiz Inácio Lula da Silva, cinco anos de mandato e acabando com a reeleição, instituto que redundou em frustração no Brasil.  
 
Visão profética  
No início do ano o conselheiro do Tribunal de Contas, Enivaldo dos Anjos, já alertava: “O Estado não vai ter dinheiro para quitar suas contas no fim do ano. Vai atrasar até salários”.  
Dito e feito.  
 
Precipitação  
Uma fonte ligada ao PMDB capixaba disse que a intervenção do ano passado no partido deveu-se à precipitação de dois deputados: o estadual Luiz Carlos Moreira e o federal Marcus Vicente, que estava entrando na legenda.  
Os dois teriam sido os responsáveis pelas articulações que levariam o governador José Ignácio Ferreira para o partido. O que gerou a intervenção.  
 
O ó do borogodó  
Minas Gerais, que experimentou excepcional avanço industrial a partir do início das obras de duplicação da Rodovia Fernão Dias, que liga BH a São Paulo, agora está sofrendo um nó.  
As obras estão paradas em vários trechos e empresas que se instalaram ao longo da rodovia, principalmente no Sul do Estado, estão batendo em retirada.  
E imaginar que o governador eleito Aécio Neves, depois de abraçar Lula e José Serra, já se sentia o ó do borogodó!  
 
Correção  
Quem foi eleito governador da Bahia, diferentemente do que a coluna publicou na edição passada, foi Paulo Souto e não César Borges, que é o atual governador e foi eleito Senador.  
 
Felicidade de ex  
Arthur Carlos Gerhardt dos Santos, o primeiro presidente da Companhia Siderúrgica de Tubarão (CST), quando a empresa ainda era estatal, transitava com desenvoltura na inauguração do Laminador de Tiras a Quente.  
E comemorava o fato de a empresa hoje ser privada: “A CST é um exemplo no mundo inteiro, de eficiência, de formação de quadros e de liderança. Se ela continuasse estatal teria enormes dificuldades. Foi uma grande sorte ter sido privatizada e ter os acionistas que tem hoje, que é gente do ramo, que sabe como essas coisas têm que ser conduzidas”.  
***  
Só para lembrar, o engenheiro Arthur Carlos, tio do prefeito Luiz Paulo Vellozo Lucas, de Vitória, ganhou a presidência da CST de presente, depois de ser governador indicado pela ditadura militar.  

  
Michel Temer

Rita

José Carlos Gratz

O governador eleito Paulo Hartung (PSB)

Guilherme Dias,

Arthur Carlos Gerhardt dos Santos

Copyright © 2001, Vida Brasil. - Todos os direitos reservados.