Vidabrasil circula em Salvador, Espírito Santo, Belo Horizonte, Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo Edição Nº: 319
Data:
30/11/2002
Capa | Edições anteriores| Assine já | Fale com a redação
Página visitada: 1374591 vezes
» Índice
» Autos
Motores colossais  

» Turismo
O triângulo delirante de Dali
» Luxo
O refúgio do estilista  
Giorgio Armani  

» Editorial
Entre o sonho e a realidade
» Turisnotas
O Blue Tree Tower Brasília, único resort urbano do país, oferece pacotes por preços imbatíveis
» Passarela
A jornalista Alexandra Isensee passeia pelos mais importantes acontecimentos da sociedade soteropolitana
» Boca Miuda
No Estado da Bahia, a quebra de respeito a algumas leis é um flagrante atentado à cidadania
Arquitetura

Régua e compasso  
As arquitetas Patrícia Sant’Anna  
e Rachel Café instalam-se no Sobrado da Praça, no Rio Vermelho, para mostrar sua avançada e prática arquitetura  
 
Harmonia, ousadia e criatividade. O tripé de ação sempre norteou a trajetória profissional das competentes arquitetas baianas e sócias, Patrícia Sant’Anna e Rachel Café. É no aconchegante escritório bem instalado no Sobrado da Praça, no Rio Vermelho, um dos bairros mais sedutores da capital baiana, onde as jovens arquitetas discutem as propostas de trabalho e entram em ebulição criativa na construção de projetos de arquitetura personalizados.  
Do signo de áries, Patrícia mostra-se mais falante, enquanto a capricorniana Rachel demonstra maiores reservas. Mas os temperamentos diferenciados não foram empecilhos para o processo de identificação entre as duas, principalmente quando o assunto é arquitetura. A afinidade aflorou desde a época da faculdade, quando foram colegas na Faculdade de Arquitetura, da Universidade Federal da Bahia (Ufba).  
O interesse e a curiosidade em sentir na prática a arquitetura era tão grande que elas escolhiam as disciplinas de modo que auxiliassem em determinados projetos reais, tendo sempre as consultorias diretas dos professores. Nessa época, elas faziam parceria para a realização de trabalhos e experiências na área, a exemplo do projeto de arquitetura de um flat e da escola particular Centro Escolar Ana Amélia. “Foi um trabalho gratificante ao qual nos entregamos de corpo e alma”, disse Patrícia, que também é pedagoga e pode aplicar os projetos pedagógicos neste serviço, observando as necessidades da comunidade escolar.  
Perseguindo o envolvimento em projetos, as universitárias foram mais adiante ao montar um escritório na casa de Rachel, onde tiveram o primeiro relacionamento cliente-arquitetas, e assumiram serviços de grande relevância na profissão. Entre os trabalhos realizados, indicam com orgulho os projetos de recuperação do casarão no bairro histórico de Santo Agostinho, e de interiores de um apartamento de cobertura de 350 metros quadrados, propriedade de um cliente de categoria AA, quando ficou constatada a paixão das duas pela atual profissão.  
Depois de se graduarem, as arquitetas trabalharam em parceria durante seis meses com o decorador Paulo Brandenburg, num escritório localizado no bairro da Barra. A experiência lhes oportunizou o envolvimento na arquitetura comercial, um segmento de clientela exigente. Patrícia e Rachel capricharam no projeto de interiores da loja Cheville, no shopping Itaigara, e a transformaram num ambiente totalmente “clean”, funcional e elegante  
 
Leves  
Com necessidade de criar “as suas próprias asas”, as arquitetas decidiram mudar-se para o Rio Vermelho, há cerca de dois meses. Numa sala dividida em dois ambientes, elas reproduzem a sua filosofia de trabalho, preocupando-se em construir um clima moderno, prático e aconchegante em harmonia com o Sobrado, e “que tenha a cara e o estilo do cliente, ou seja, nós mesmas...”.  
“Ainda não está pronto”, diz a Rachel em tom de modéstia e ao mesmo tempo exigente consigo mesma – pois pelo menos para um leigo em arquitetura e decoração, o escritório é charmosíssimo e parece perfeito em seus mínimos detalhes. O branco é a cor predominante, mas duas paredes em paralelo, pintadas nos tons laranja e verde, fazem o contraste e promovem o equilíbrio ambiental.  
“O laranja, como cor quente, estimula a criatividade, e o verde a tranquilidade”, explica Rachel.  
Móveis leves e anatômicos, com cores claras, juntamente com a iluminação indireta, dão um tom de conforto. E os quadros, em cores fortes, transmitem energia e vitalidade para quem freqüenta o local.  
Uma janela do escritório, voltada para a praia do Rio Vermelho, proporciona momentos de relaxamento, sobretudo quando o sol se põe. “Escolhemos o local ideal para montarmos o nosso escritório, neste sobrado maravilhoso, instalado neste bairro tradicional, voltado às artes, cultura e história”, opina Patrícia, afirmando que antes de instalar o escritório foi feita uma leitura do sobrado.  
Neste escritório, elas aglutinam uma clientela diversificada, trabalhando com importantes projetos de arquitetura de interiores empresarial e comercial. A distribuidora de vinhos Domaine Salvador, instalada no Sobrado, foi um dos clientes em que fundamentou o trabalho nas condições de uso comercial do imóvel, criando um ambiente de adega aconchegante, utilizando cores temáticas – verde e vinho –, e ao mesmo tempo funcional, adaptado ao armazenamento dos produtos. “Entramos no mundo dos amantes dos vinhos para saber as necessidades da loja”, explica Rachel.  
A necessidade de atualização na profissão faz com que as arquitetas estejam constantemente se reciclando em cursos de arquitetura de interiores e de alteração de projetos, no Brasil e exterior. São filiadas ao Núcleo Baiano de Decoração, onde adquirem conhecimentos importantes para seu crescimento profissional.

  






Na Domaine Salvador, ambientação que leva à reflexão sobre o vinho

Rachel e Patrícia, sentada

Copyright © 2001, Vida Brasil. - Todos os direitos reservados.