Vidabrasil circula em Salvador, Espírito Santo, Belo Horizonte, Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo Edição Nº: 291
Data:
30/9/2001
Capa | Edições anteriores| Assine já | Fale com a redação
Página visitada: 607642 vezes
» Índice
» EDITORIAL
E agora?
» TURISMO
Sierra Nevada A magia da neve
» TURISNOTAS
Espaços deslumbrantes e o supra-sumo do luxo fazem do Burj Al Arab o único hotel sete estrelas do mundo
» SOCIAL LIGHT
Jorge Gerdau Johannpeter e Josinha Pacheco fazem festas concorridas em Salvador
» TRIANGULO
A vitória de ACM
» BOCA MIUDA
Hartung diz para Luiz Paulo que denúncias de irregularidades na prefeitura já estão pegando mal
CAPA

De acordo com a ciência, a longevidade pode depender de um gene que só alguns têm a sorte de ter. E porque a maioria parece mesmo não o possuir, os cientistas tentam encontrar medicamentos e técnicas milagrosas que façam parar o tempo.  
 
Até hoje, o recorde da longevidade encontra-se nos 121,5 anos e pertence a Geanne Lousine Calment, uma francesa que nasceu em 1875 e morreu em 1997. Para quem viveu na época de Van Gogh e conheceu a era espacial na sua plenitude, a vida terá sido um mistério recheado de surpresas. Só que nem sempre as surpresas foram as melhores. E Geanne acabou mesmo por passar o fim da vida numa cadeira de rodas, surda e quase cega. Um fato pouco surpreendente mas que preocupa cada vez mais as sociedades cujas esperanças médias de vida têm vindo a aumentar.  
Drible - É necessário não só viver muito como viver com qualidade. Portanto, o caminho encontra-se aberto para os laboratórios farmacêuticos que continuam tentando encontrar compostos que sejam capazes de ir driblando a velhice e a morte. A utopia da saúde perfeita está instalada e a ciência continua a servir a humanidade com o propósito de esta encontrar a eterna juventude. Esta é, aliás, uma matéria em que os americanos são peritos. De acordo com os últimos dados disponíveis, os norte-americanos gastaram, no último ano, US$ 43 milhões em produtos de antienvelhecimento da pele. E eles não são os únicos.  
No Brasil, os valores das vendas deste tipo de produtos têm aumentado significativamente. Mesmo o Viagra, que já deu à Pfizer milhões de dólares de receita em todo o mundo, tem registrado aumento das vendas em todo o mundo. De fato, são cada vez mais os homens que recorrem a este medicamento na tentativa de combater a impotência. Um bom pressuposto para as ações da Abbott, um laboratório farmacêutico que pôs no mercado um medicamento com o mesmo efeito do Viagra, que dentro de pouco tempo se encontrará à venda nas farmácias. Outro dos produtos que mais lucros dão às empresas é o que visa combater a alopecia. É que a medida que os homens vão se preocupando mais com o seu aspecto físico, vão tendo mais dificuldades em lidar com a inevitável calvície. Apesar de tudo, se tivermos em conta a idade em que o envelhecimento começa a ser percebido, não é de admirar que haja cada vez mais pessoas consumindo produtos que retardem o envelhecimento. Bastam 30 anos de vida para que o processo de substituição celular abrande o ritmo, permitindo o envelhecimento gradual dos tecidos e dos órgãos. Sistema imunológico e endócrino, músculos, glóbulos vermelhos e coração começam por ser os mais afetados e, portanto, os primeiros a dar problemas. E ainda que os fenômenos fisiológicos que acompanham o envelhecimento se tenham registrado nas gerações anteriores, hoje o corpo merece cada vez mais atenção. Controlar o organismo e conservar a saúde é a grande conquista do homem de hoje. Para as atuais gerações, retardar o envelhecimento significa não só triunfar sobre a vida como alimentar a idéia de que o homem é imortal. Uma questão de alma que, como é óbvio, repercutirá no corpo.  
Levanta-te e anda - Sendo inegável o interesse suscitado pelos fatos científicos (neste caso o desgaste fisiológico do organismo), o certo é que, para o homem comum, a morte celular ou as alterações hormonais só são motivo de preocupação porque se manifestam em rugas, falta de cabelo ou diminuição da atividade e competência sexual. Aliás, no que toca a este último aspecto, as preocupações do sexo masculino são já bem antigas.  
De acordo com um episódio da mitologia grega, Átila morreu em consequência de uma indigestão causada pelo excesso de consumo de hidromel (bebida que se pensava ser afrodisíaca), por receio de não conseguir ter uma boa performance sexual na sua noite de núpcias.  
O recurso aos produtos naturais é uma prática ancestral. Durante muito tempo, quer os homens que temiam as incursões do tempo à sua virilidade quer as mulheres que tentavam conservar a sua pele de meninas, recorriam aos produtos naturais como meio terapêutico. Assim, enquanto os ‘machos’ depositavam uma confiança cega nas propriedades afrodisíacas do chifre de rinoceronte, as mulheres encontravam nas raízes de ginseng, na baunilha e nas algas três grandes aliadas. No entanto, do rol de produtos que podiam integrar esta lista, apenas um tem a sua eficácia comprovada. Chama-se yohimbe, e ainda hoje é aplicado como composto de alguns medicamentos orais.  
No entanto, existem outras substâncias de origem natural que continuam a encontrar adeptos. São elas o ácido retinóico (derivado da vitamina A), o ácido ascórbico (vitamina C), os suplementos vitamínicos, os antioxidantes e os fitoquímicos.  
Mas existe também o outro lado da moeda. E se são muitas as pessoas que procuram alívio para os seus males nos produtos naturais, muitas outras recorrem às novas descobertas farmacêuticas para pôr fim aos seus receios. Injeções, implantes, comprimidos, cremes e loções parecem conseguir sossegar os espíritos mais inquietos com as questões da idade. Não podemos deixar de falar nem da melatonina, uma substância segregada pela glândula pineal que tem registrado um grande número de adeptos, nem dos tratamentos hormonais, onde o estrogênio e a testosterona adquirem destaque. Além de tornarem mais suave a entrada na meno e na andropausa, dão novo ânimo ao início desta fase da vida  
 
DHEA, a ‘pílula da eterna juventude’  
 
O dia 11 de junho animou as prateleiras das farmácias francesas. Por quê? Porque foi a partir desta data que a DHEA, a nova pílula da juventude, começou a ser comercializada. Desde que apresente uma receita médica e esteja pronto para assumir os riscos que o seu consumo implica, qualquer homem pode adquiri-la. Apesar deste medicamento parecer uma novidade, pode ser encontrado nos Estados Unidos há já alguns anos. Na Espanha, após ter sido comercializado, foi retirado do mercado.  
 
Princípio ativo - Dehidroepiandrosterona (DHEA)  
 
Como funciona - A DHEA é um hormônio produzido nas glândulas supra-renais, regulado de acordo com a idade do indivíduo. À medida que o organismo envelhece, a produção deste hormônio começa a declinar progressivamente. A DHEA atua como um potenciador e regulador dos níveis dos outros hormônios no organismo. O organismo utiliza-a, por exemplo, como precursora dos hormônios sexuais masculinos e femininos. Presume-se que o seu consumo aumente a densidade óssea, melhore o estado dos músculos, incremente o rendimento intelectual, aumente a sensação de bem-estar e reduza os riscos de infecções.  
 
Efeitos secundários - À semelhança dos benefícios, os efeitos secundários da DHEA continuam a ser alvo de ensaios clínicos que permitam delimitá-los com exatidão. No entanto, presume-se que alguns dos efeitos negativos sejam: lesões no fígado, aumento da ginecoplastia (ter um peito maior do que o outro), acne e reativação de alguns tipos de câncer como o da mama, colo do útero ou próstata.  
 
Administração - É comercializada desde o dia 11 de junho pelos laboratórios Cooper. É considerada, desde agosto de 2000, a “fórmula magistral”.  
 
Eficácia - Alguns estudos mostram que as pessoas predispostas a doenças cardiovasculares apresentam baixos níveis de DHEA. No entanto, ainda não existem ensaios clínicos que confirmem as propriedades terapêuticas deste composto.  
 
Apomorfina, o desejado ‘SuperViagra’  
 
Apesar de já ter sido autorizado diversos países, o cloridrato de apomorfina será comercializado no Brasil ainda este ano. Este novo medicamento, também conhecido como o “SuperViagra”, visa combater a disfunção erétil que começa a manifestar-se em alguns homens a partir de uma determinada idade.  
Princípio ativo - Cloridrato de apomorfina  
Como funciona - Perante um estímulo sexual, o cérebro do homem envia uma série de sinais aos nervos que rodeiam o pênis, provocando um aumento de fluxo sanguíneo que se manifesta através da ereção. O impulso nervoso é transmitido desde o cérebro ao pênis, graças à dopamina, uma substância produzida pelo organismo e que se encontra associada ao controle da satisfação emocional e do prazer. A dopamina ativa o sistema nervoso central (SNC) e faz com que os sinais sejam transmitidos através da medula até os nervos pélvicos. O princípio ativo deste medicamento, a apomorfina, é capaz de provocar os mesmo efeitos que a dopamina pelo que é capaz de reforçar o processo natural que provoca as ereções. A apomorfina apresenta-se, neste caso, em forma de cloridrato, o que favorece a sua rápida absorção através do organismo. Depois de entrar na corrente sanguínea e assim que chega ao cérebro, a apomorfina desencadeia um processo de estimulação nervosa que acaba por ser finalizado quando o pênis entra em ereção.  
Efeitos secundários - Os especialistas afirmam que podem surgir náuseas, hipotensão, dores de cabeça e enjôos que, de acordo com as experiências já efetuadas, parecem ser transitórios, tendendo a desaparecer com o uso continuado da medicação. Pode haver casos em que seja necessário reduzir as doses administradas.  
Administração - Atualmente, o medicamento apresenta-se, em outros países, sob a forma de comprimidos de 2 e 3 mg que se depositam debaixo da língua, para uma melhor absorção. De acordo com os especialistas, este medicamento pode ser tomado três vezes ao dia, com um intervalo mínimo de oito horas.  
Eficácia - De acordo com dados fornecidos pelos laboratórios Abbot, uma das companhias responsáveis pela comercialização do produto, este medicamento mostrou ser eficaz em quase 80% dos pacientes que apresentam disfunção erétil, independentemente da origem da mesma ser física ou psicológica. No entanto, esta posição não é unânime. De acordo com outras fontes, o ‘SuperViagra’ parece ter sido eficaz em 45% dos casos.  
 
Apomorfina X Sidenafil  
 
A maior diferença entre a apomorfina e os outros compostos que combatem a impotência reside no seu modo de atuação sobre o sistema nervoso central (SNC). É que a apomorfina atua sobre o fenômeno que permite a ereção, enquanto o sidenafil, o princípio ativo do Viagra, atua em nível local, como um vasodilatador que estimula a circulação sanguínea no pênis. Além do mecanismo de ação, existem outras importantes diferenças entre estes dois compostos: o primeiro atua após 20 minutos, enquanto o segundo demora, em média, 35 minutos a atuar. Ao contrário do Sidenafil, a apomorfina pode ser administrada a homens com problemas cardíacos que estejam em tratamentos com nitratos.  
No entanto, o Viagra já conta com três anos de êxito no mercado, o que neste “combate” pode constituir uma mais-valia.  
Agora, só falta a apomorfina demonstrar ser capaz dos efeitos que promete.  
Apesar de ainda se encontrar em processo de estudo, presume-se que este princípio ativo possa ser aplicado em indivíduos com lesões medulares. E, em vez de competirem entre si, estes dois compostos podem vistos como complementos de um mesmo tratamento.  
 
Está tudo nos genes  
Em que os laboratórios estão trabalhando, para tentar travar o processo de envelhecimento? Segundo alguns peritos, o futuro está na genética. Uma vez que se sabe existir uma componente hereditária na longevidade, as investigações científicas parecem orientar-se para esse sentido. Atualmente, estão sendo feitos vários estudos nesta área, mas ainda é cedo para que se possam tirar conclusões.  
Mutações genéticas - Foram encontradas algumas semelhanças genéticas entre famílias de indivíduos com vidas muito longas. Além disto, foi encontrado, nas moscas do vinagre (drosophila melanogaster), um gene batizado por Matuzalém, que parece ser o responsável pela longevidade de algumas moscas. Os espécimes que têm este gene vivem 35% mais do que os outros.  
Medicina degenerativa - Substituir células, tecidos e órgãos doentes deixou de ser uma utopia. Com os avanços no campo do cultivo celular e com a clonagem, podem ser criados novos substitutos para os elementos doentes.  
Células envelhecidas - Herman J. Muller, da Universidade de Edimburgo, descobriu, há alguns anos, a existência de uma espécie de capa que cobre os extremos dos cromossomos e que vai sofrendo alterações à medida que as células vão se reproduzindo. Neste momento, as investigações debruçam-se sobre o modo como esta capa vai se alterando. Sabe-se já que, à medida que as células vão se reproduzindo, a capa diminui de tamanho até desaparecer. Encontrar um mecanismo que impeça este desgaste parece ser a nova etapa.  
Clones - Cientistas da Advanced Cell Technology de Massachusetts descobriram que a clonagem pode retardar o envelhecimento celular. Portanto, dentro de alguns anos, não será de admirar que o homem possa recorrer à clonagem para rejuvenescer alguns órgãos do corpo.  
Órgãos artificiais - No último dia 4 de julho, realizou-se o primeiro transplante de um coração artificial totalmente automático num ser humano, o que foi considerado um passo importante na substituição de órgãos doentes por compostos mecânicos.


DHEA, a ‘pílula da eterna juventude’
A cura da impotência passou sempre pelo mel, pelo hidromel e, mais tarde, pelo ciripolen
hormônio do crescimento, outra arma no combate ao envelhe-cimento
Apomorfina, o desejado ‘SuperViagra’
Apomorfina X Sidenafil

Copyright © 2001, Vida Brasil. - Todos os direitos reservados.