Vidabrasil circula em Salvador, Espírito Santo, Belo Horizonte, Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo Edição Nº: 298
Data:
15/1/2002
Capa | Edições anteriores| Assine já | Fale com a redação
Página visitada: 1374566 vezes
» Índice
» Editorial
E 2002?
» Autos
No Salão Internacional do Automóvel, em Frankfurt, um espetáculo de idéias, inovações, desenho e técnica
» Turisnotas
Desempenho do sistema Vaspex em dezembro foi o melhor em seus cinco anos de existência
» Triangulo
A maldição de algumas dezenas de auxiliares diretos de FHC que hoje estão no ostracismo
» Truismo
No Ano Prussiano de 2001, a Bundesgartenschau e jardins de palácios fizeram de Potsdam um parque
» Atualidade
“Cool hunters”, os caçadores de tendências que antecipam o que vai acontecer na moda
Editorial

Não há dúvidas: 2001 foi um ano surpreendente.  
E não foram apenas os ataques terroristas contra os Estados Unidos que abalaram as estruturas mundiais e colocaram em cheque a supremacia norte-americana. Na prática, eles só fizeram acentuar os sintomas ou as dores profundas das crises que pipocam por todo o mundo.  
Ufa! Sobrevivemos.  
E entramos em 2002 com algumas boas notícias.  
No Oriente, a guerra no Afeganistão não foi tão longa quanto imaginávamos.  
Nos Estados Unidos, o Federal Reserve (FED) – banco central americano – atua com determinação derrubando as taxas de juro para evitar o colapso total do consumo e abre uma perspectiva de que a crise não ficará muito pior do que já está.  
Na Europa, a chegada do euro – verdadeiro símbolo da integração política e econômica do velho continente – traz expectativas de novos rumos.  
Na Argentina, Eduardo Duhalde pode não contar com o apoio total da maioria da população, mas as medidas tomadas pelo presidente nomeado se apresentam como os primeiros passos para uma tentativa de recolocar a economia daquele país nos eixos.  
E o Brasil?  
Depois de conseguir ultrapassar as instabilidades da economia mundial, o país até que não vai tão mal assim.  
Sem nenhum otimismo exagerado – afinal temos grandes e graves problemas como o desemprego crescente, a miséria, o analfabetismo e a violência – é preciso observar que, mesmo em passos lentos, estamos avançando. Vencemos a inflação, a alta do dólar, as elevadas taxas reais de juro.  
Mas, fazer previsões sobre o que 2002 nos reserva é, no mínimo, complicado.  
É também bom lembrar que grande parte dos exercícios de futurologia realizados pelos economistas de plantão costuma ficar distante do realizado. Só para citar um exemplo: lembra qual a taxa de crescimento do PIB nacional prevista para 2001? Variava entre 4% e 5%. Pois bem, fechamos em 1,5%.  
Além das dificuldades normais de se prever os rumos da economia, é preciso ter sempre em mente que este é um ano eleitoral onde tudo ou nada pode ocorrer.  
Observe apenas esse dado: quem esperava que uma polarização entre um candidato do governo e o tradicional candidato de oposição, Lula, levaria, finalmente, o petista para o Planalto, já começa a duvidar. Roseana Sarney está entrando no páreo com mais poder de fogo que governo e oposição previam.  
O jeito é esperar para ver o que essa terceira via trará de resultado no dia 6 de outubro e torcer para que o país não pare nos próximos 12 meses.

  

Copyright © 2001, Vida Brasil. - Todos os direitos reservados.