Vidabrasil circula em Salvador, Espírito Santo, Belo Horizonte, Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo Edição Nº: 287
Data:
31/7/2001
Capa | Edições anteriores| Assine já | Fale com a redação
Página visitada: 1374662 vezes
» Índice
» EDITORIAL
A consolidacão da qualidade
» AUTOS
Spyker perfeição sob medida
» RIO CLASSE A
Foi no Copacabana Palace, que se realizou o jantar beneficente em prol da Vida Obra Social
» TURISMO
Bahamas Paradise Island
» TURINOTAS
Vasp cresce 13,2%, apesar da instabilidade econômica que abala o Brasil e o mundo
» BOCA MIUDA
BOCA MIUDA
TRIANGULO

100% capixaba  
 
Em tempos de baixa estima, o presidente da Acaps, Luiz Coutinho, lançou durante evento da categoria o selo “100% capixaba”. Uma iniciativa mais que louvável e oportuna  
 
Maduro  
 
No meio do tiroteio da CPI da Propina, é bom registrar o comportamento discreto e equilibrado do diretor geral da Assembléia Legislativa, André Nogueira. Atende bem a deputados de todos os credos. É a sabedoria que o amadurecimento produz.  
 
Competência pura  
 
Mais uma vez funcionando a “síndrome” da Agência BB da Praia do Canto. O ex-gerente Yves Fulber virou superintendente-adjunto em Vitória, depois foi transferido para uma superintendência importante em São Paulo e hoje trabalha na sede do banco em Brasília. Está a um passo de uma diretoria. O homem é competência pura!  
 
Telefônica & Acaps  
 
Uma exposição de telefones e a loja móvel da Telefônica Celular do Espírito Santo foram as principais atrações da empresa na 15ª Convenção Capixaba de Supermercados, promovida pela Associação Capixaba de Supermercadistas – Acaps – de 15 a 18 de julho, no pavilhão de exposições de Carapina.  
Os expositores de outros estabelecimentos e os milhares de visitantes que presenciaram o evento se encantaram com a exposição “De Grahn Bell ao Celular”, pois, além de conferir os aparelhos novos e antigos, o público teve a oportunidade de realizar uma ligação utilizando os aparelhos de manivela, datados de 1920. Uma boa!  
 
Equívoco  
 
Aqueles que querem a todo custo destruir o governo, sem importar-se em destruir o Espírito Santo, acabam de se ferrar ao tentar envolver a Cesan em operações irregulares. Na verdade, como empresa de economia mista, ela pode aplicar recursos financeiros decorrentes da receita de serviços onde bem quiser. Aliás, para arrecadar a Cesan utiliza mais de 40 bancos e ainda algumas dezenas de casas lotéricas. Essa foi a receita aplicada nas tais cooperativas. Um outro fato a ser esclarecido é que os valores que aparecem na CPI apresentam um número falso, porque, por exemplo, uma operação de R$ 700.000 foi multiplicada dia a dia apresentando no somatório um resultado final com números absurdos. Tremendo equívoco!  
 
O bom  
 
VB cantou a bola na edição 284 de 15 de junho. Por trás do “excelente” noticiário nacional a respeito do Espírito Santo, está o sr. João Batista Rodart. Ele trabalha para políticos importantes aqui do Estado.  
 
Quem paga?  
 
E aí, hein! Quem deve estar muito feliz é a oposição baiana. Conseguiu estimular um motim que levou uma tremenda imagem negativa da Bahia a ser transformada em manchetes nos mais importantes veículos de comunicação do mundo. Além dos prejuízos diretos, os indiretos com a fuga de turistas amedrontados. E quem paga essa conta?  
 
Estilos  
 
A figura de teflon - aquele em que nada pega - do presidente FHC é atribuída à rapidez com a qual ele descarta seus auxiliares à menor suspeita e, mesmo que nada se confirme contra a pessoa, ela fica definitivamente rejeitada. Já o governador José Ignácio Ferreira, bom e crédulo como afirma o vice-governador Celso Vasconcellos em entrevista a VB edição n.º 277 de 28 de fevereiro, perplexo ante a confirmação de corrupção em seu governo, parece demorar demasiadamente a tomar decisões. Talvez por isso, esteja sofrendo o inferno astral que assola o Espírito Santo.  
 
Reforço  
 
Colunista local mais lido nos diários capixabas, como ghost write da coluna Plenário, de “A Tribuna”, José Caldas passa a reforçar o corpo editorial de VidaBrasil assinando quinzenalmente a coluna política Boca Miúda. O estilo de Caldas já pode ser conferido pelos leitores a partir desta edição. José Caldas, que diz com orgulho ser “do Alegre”, é um dos mais experientes jornalistas em atividade no Estado. Aos 41 anos, tem 27 de profissão só em grandes veículos, tendo passado também por “O Globo” e “A Gazeta”, além de revistas e outras mídias, como rádio e televisão.  
Ele é um curinga na redação de “A Tribuna”. Quando o jornal iria começar a circular às segundas-feiras, o diretor de redação João Luiz Casér saiu a procurar no mercado um profissional que pudesse estar cada dia em uma editoria diferente, para permitir a folga semanal dos editores. José Caldas foi o único nome no mercado capixaba a preencher esse perfil.  
 
ACM  
 
“Eu adverti o presidente Fernando Henrique Cardoso, muitas vezes, sobre estes crimes todos, que agora estão sendo publicados, e revelados, e que um homem nestas condições não poderia ser presidente do Senado”.  
 
Não sobra ninguém  
 
Que o governador Anthony Garotinho não é lá tão garotinho, isso todo mundo sabe. Agora, o que estão fazendo com ele é nada mais nada menos que a síndrome do candidato que cresce nas pesquisas. É preciso encontrar uma forma de desmoralizá-lo. Do jeito que vai, não ha de sobrar ninguém para apagar a luz.

  
Presidente da Acaps, Luiz Coutinho

André Nogueira

Yves Fulber



Copyright © 2001, Vida Brasil. - Todos os direitos reservados.