Vidabrasil circula em Salvador, Espírito Santo, Belo Horizonte, Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo Edição Nº: 287
Data:
31/7/2001
Capa | Edições anteriores| Assine já | Fale com a redação
Página visitada: 1374551 vezes
» Índice
» EDITORIAL
A consolidacão da qualidade
» AUTOS
Spyker perfeição sob medida
» RIO CLASSE A
Foi no Copacabana Palace, que se realizou o jantar beneficente em prol da Vida Obra Social
» TURISMO
Bahamas Paradise Island
» TURINOTAS
Vasp cresce 13,2%, apesar da instabilidade econômica que abala o Brasil e o mundo
» BOCA MIUDA
BOCA MIUDA
TURINOTAS

Vasp cresce  
 
Apesar da flutuação do dólar e da queda da demanda registrada na aviação civil brasileira, a Vasp registrou um crescimento de 13,2% no faturamento do primeiro semestre deste ano, em relação aos primeiros seis meses de 2000. Este índice coloca a empresa entre as mais bem sucedidas do setor em 2001, ensejando mais um ano de resultados positivos.  
A explicação para esta performance está relacionada com os resultados alcançados pela Vasp, após a implementação do seu projeto de reestruturação, deflagrado tão logo ocorreu a desvalorização cambial. Com a estrutura enxuta, a operação internacional interrompida e o mapa de rotas redesenhado, a empresa passou a direcionar seus esforços para os negócios no mercado doméstico.  
Para se ter uma idéia, no primeiro semestre de 2000, a média de faturamento por passageiro transportado era equivalente a R$136,70. No mesmo período deste ano, o faturamento passou a R$179,00 por passageiro, registrando um crescimento de 30,9%, mesmo com a demanda reprimida. De janeiro a junho deste ano foram embarcados nos vôos da empresa 1.981.316 passageiros, volume 13,54% inferior ao realizado no primeiro semestre do ano passado.  
Nos primeiros meses de 2001 a Vasp permaneceu na liderança do setor, superando suas concorrentes, com os melhores índices de aproveitamento de vôos, obtendo uma taxa média de ocupação da ordem de 60,3%, contra os 57,5% dos primeiros seis meses do ano passado.  
Para o presidente da Vasp, Wagner Canhedo, estes resultados são a confirmação de que a política comercial adotada pela empresa está correta. “Na guerra tarifária do final dos anos 90, as empresas baixaram as tarifas para competir, sem se preocuparem com a qualidade tarifária. Todos aprendemos a lição. Hoje buscamos o ponto de equilíbrio, para não penalizar nem nossos usuários nem nossas necessidades de receita”.  
 
Blue Tree Morumbi  
 
A indústria de viagens movimenta no mundo cerca de US$ 3,5 trilhões por ano. É o segmento da economia de serviços que lidera o mercado de trabalho nos países mais desenvolvidos no setor. Não tem sazonalidade e propicia retorno para a economia local e nacional. Disposta a captar esse importante segmento, a Blue Tree abre este mês seu 9º hotel em São Paulo e 18º no país: o Blue Tree Towers Morumbi Convention Center, empreendimento construído pela Inpar e que mobilizou investimentos da ordem de R$ 40 milhões. O hotel é dirigido ao mercado de grandes eventos, reuniões e convenções.  
Com 400 apartamentos modernos e funcionais divididos em categorias superior, luxo e suítes presidenciais, tem endereço nobre, à av. Roque Petroni Júnior, 1000, em frente ao Morumbi Shopping, símbolo da Zona Sul de São Paulo, a uma quadra da Marginal Pinheiros. Os confortáveis apartamentos têm facilidades como ar condicionado central, telefone, cofre, TV a cabo, som ambiente e minibar. O hotel oferece bar e restaurante, piscina com deck e jardins, sala de ginástica e estacionamento para 360 veículos. Sua ampla área de eventos e reuniões possui dois salões para 800 pessoas, e nove salas de reuniões com capacidade para até 50 pessoas cada.  
 
Quase no céu  
 
A primeira coisa que se vê, ao chegar a Toronto, é o Ontário, lago que mais se parece um mar, e a segunda, a CN Tower, com seus 553,33 metros de altura.  
Ícone da cidade, que acaba de completar 25 anos, a torre, construída como central de telecomunicações, é também um dos pontos turísticos mais visitados de todo o Canadá.  
Do alto da torre se avista Toronto, o Lago Ontário e, nos dias claros, paisagens a até 150 km de distância, incluindo as águas da Niagara Falls.  
No nível do Observatório, os visitantes podem andar sobre um piso transparente, como se estivessem no ar, numa altura equivalente à de um edifício de 114 andares, 447 metros acima do chão.  
A CN Tower oferece ainda um largo espectro de atrações e exibições, além de bares e restaurantes, incluindo o giratório, que roda 360 graus, mostrando todos os lados da cidade e onde fica a adega mais alta do mundo.  
A visita ao Observatório, com seu piso transparente, é uma das principais atrações em Toronto, e seu custo por adulto é de C$ 15,99 (aproximadamente US$10).  
Mais informações sobre a CN Tower no site http://www.cntower.ca e, sobre Toronto, http://www.toronto.com/.

  
Vasp cresce

Quase no céu

Blue Tree Morumbi

Copyright © 2001, Vida Brasil. - Todos os direitos reservados.