Vidabrasil circula em Salvador, Espírito Santo, Belo Horizonte, Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo Edição Nº: 300
Data:
15/2/2002
Capa | Edições anteriores| Assine já | Fale com a redação
Página visitada: 1297034 vezes
» Índice
» Memória
O trigésimo Primeiro
» Triangulo
A Uniletra e o social
» Boca Miuda
O imbatível
» Rio Classe A
O Rei é o show,mais uma vez
Triangulo

A Uniletra e o social  
A Uniletra Financeira, empresa oriunda do Grupo Unicafé, pelo segundo ano consecutivo produz a agenda “Dia a dia na Escola”, direcionada a todos os professores da rede estadual de educação, a eles entregue gratuitamente. Seu conteúdo contempla informações importantes da área pedagógica e dicas úteis para o cotidiano dos profissionais da educação. A agenda “Dia a dia na Escola” tem como principal objetivo homenagear todos os educadores do Estado, que contribuem com a formação dos cidadãos capixabas, proporcionando-lhes um instrumento diário que os auxilia no trabalho e incrementa o crescimento técnico no setor.  
Em 2002, devido à grande receptividade da agenda “Dia a dia na Escola 2001” que teve uma tiragem de 15 mil exemplares, a Uniletra ampliou a produção para 20 mil unidades. A empresa quer continuar consolidando esse trabalho social de ponta a ponta no Espírito Santo, pois acredita que por meio dessas ações estará contribuindo para o crescimento dos cidadãos capixabas. A Uniletra é comandada no Espírito Santo pela executiva Zuca Coser Teixeira (foto).  
 
Serra abaixo  
“O ministro da Saúde, José Serra, é um homem da fama: carrancudo, obstinado, metódico, viciado em trabalho, autoritário, competente, hipocondríaco, notívago e por aí vai. Por isso mesmo, ele é a alegria dos contadores de histórias. Uma das últimas foi espalhada nos venenosos bastidores de Brasília para ilustrar sua propalada antipatia. Certo dia, foi abordado por um senhor que se apresentou como diretor de um importante hospital de São Paulo. Secamente, o ministro respondeu: ‘E daí?’ Outra que circula pela capital é que durante uma reunião Serra pediu um sanduíche. Começou a comê-lo. Deixou no prato metade do lanche e só aí ofereceu aos demais: ‘Eu não quero mais. Alguém quer?’, arrematou.”  
O trecho acima foi extraído, há um mês, de artigo de uma revista de circulação semanal.  
Esse mesmo cidadão, no último dia 15 de janeiro, desfilava simpatia no requintado Restaurante Fasano, em São Paulo. Nem de longe, parecia o sujeito ranzinza e seco descrito pela revista. Pelo jeito, vestiu a roupa e o paladar de presidente da República.  
 
Picaretagem  
A coluna há muito vem alertando sobre a ação de certas agências de publicidade. O dono de algumas delas estão envolvidos em tudo quanto é fraude com o dinheiro alheio, principalmente, o público.  
Duas destas agências já estão inclusive respondendo perante o Ministério Público. Vem chumbo grosso por aí e provavelmente, certos publicitários (a) poderão em breve, de pijama listrado, ver o sol nascer quadrado. É só esperar para ver!  
 
Sem estrelismo  
Merece um destaque a jovem equipe que dirige e gerencia os Correios no Espírito Santo. Objetivos, competentes, interessados na clientela com o mesmo entusiasmo de qualquer outra boa empresa de prestação de serviços e sem nenhuma atração pelos holofotes. Diretores e gerentes confundem-se com os outros servidores, atendendo a todos com boa vontade e atenção. Um destaque especial para Lúcia, assistente de diretoria.  
 
Propina  
Alguns fornecedores se dizem assustadíssimos com uma certa cooperativa de médicos. Ali, não se vende sequer um rolo de gaze sem que tenha de se pagar uma propina. E alta!  
 
Dinho  
Deleitava-se num luxuoso apart de São Paulo, um cinco estrelas, o jornalista Pimenta Neves, assassino confesso e covarde da namorada. Quem o viu e ouviu ficou perplexo com a frieza e a naturalidade com que conduz a vida. A amigos presentes, apresentou um filho que mora em Nova York. Em seguida, o guapo rapaz, ao celular, protagonizou uma cena que muito lembrou o quadro que o ator Jorge Dórea apresenta no programa Zorra Total. Com direito ao Dinho e tudo mais.  
 
Reflexão  
Num país que deporta a coitada da Glória Trevi, acolhe e repatria como seu cidadão o ladrão Ronald Bigs, que ficou por aqui até o dia que bem quis e entendeu, é estranho ver preso, sem qualquer culpa formada, e ainda por cima, réu primário, o ex-secretário Gentil Ruy. Um caso, de fato, para reflexão.  
 
Nariz  
Impressionante, o nariz dos argentinos. Nem com a enorme crise que desabou sobre o país, eles abrem mão do preço das diárias nos seus hotéis, que por sinal, estão às moscas. A diária no Holyday In Crowne Plaza de Buenos Aires, por exemplo, custa hoje exatamente o mesmo preço que custava dois anos atrás. A bagatela de U$ 250 pelos apartamentos com vista para o Obelisco da av. Nove de Julho. Todos, aliás, desocupados.  
 
O mito ACM  
Forjado na escola política do PFL de ACM, o deputado Benito Gama, que chegou a ser um dos homens de ouro da administração do partido na Bahia, por divergências políticas e de outras ordens com o então senador Antônio Carlos Magalhães, terminou caindo no colo do PMDB de Geddel Vieira Lima, o mais ferrenho inimigo do carlismo. Diante da indignação de “certos amigos de ACM”, Benito passou a sofrer alguns constrangimentos ao ponto de ter sido recusado num vôo de uma companhia de táxi aéreo que Benito muito ajudou e sempre utilizou em campanhas políticas. Perplexo, ele teria ouvido de um dos diretores: “não dá para você voar conosco. O chefe não quer”. Referia-se, claro, a ACM que com certeza não passou tal ordem ao “subordinado”. Aliás, em várias situações, muitas vezes mesquinhas, o nome do líder baiano é utilizado indevidamente por puxa-sacos e aproveitadores, trazendo ao mito uma enorme carga negativa. ACM, seus familiares e amigos verdadeiros precisam, não abrir os olhos... na verdade, arregalá-los.  
 
Analfabetos  
E os pais continuam de olhos fechados, querendo abri-los apenas para ver os seus filhos diplomados por escolas superiores que de superior só têm mesmo a conta dos seus proprietários, cada vez mais ricos a custa de formar analfabetos. É preciso que pais conscientes, autoridades e os empresários sérios do setor educacional se unam para coibir tal absurdo .  
 
Apagões  
A Escelsa vai novamente se defrontar com consumidores que se sentiram prejudicados pelo apagão do dia 21. Do penúltimo, em 1999, ainda restam sérias pendengas judiciais com a empresa que é séria e responsável, porém na época comandada pelo arrogante sr. Francisco Gomide. Dos atuais dirigentes, espera-se bom senso e jogo de cintura.  
 

  
Zuca Coser Teixeira

José Serra

Copyright © 2001, Vida Brasil. - Todos os direitos reservados.