Vidabrasil circula em Salvador, Espírito Santo, Belo Horizonte, Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo Edição Nº: 318
Data:
15/11/2002
Capa | Edições anteriores| Assine já | Fale com a redação
Página visitada: 1373445 vezes
» Índice
» Autos
Honda Civic 2003  

» Atualidade
O que e belo?
» Turisnotas
Separado
» Turismo
Verdes sao os campos, oh yes
» Perfil
De olho em outras ondas  

» Boca Miuda
Dos programas da atual administração, o governador eleito Paulo Hartung vai manter apenas o Pro-Pas
» Triângulo
A suite Amália Rodrigues do Pestana Salvador, hospedou o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva e Senhora
» Editorial
Incompreensível crise
Editorial

Passamos pela crise do México, da Rússia, do Sudeste Asiático.  
Sobrevivemos à explosão da bolha das pontocom.  
Conseguimos ultrapassar, mesmo que a duras penas, os ataques terroristas aos Estados Unidos.  
E não sofremos as conseqüências diretas e imediatas da derrocada argentina.  
Foi preciso chegar o ano eleitoral para o Brasil experimentar sua própria e incompreensível crise.  
Uma crise que se fez sem dados e fatos concretos.  
Vamos recordar:  
No final do primeiro semestre, quando o dólar atingia a casa dos R$ 3,00, o país entrou em pânico. Mas poucas argumentações havia para explicar como e porque a moeda americana crescia tanto e tão de repente.  
Também não havia indicadores econômicos que explicassem porque o Risco Brasil chegava a seus pontos mais altos.  
A pergunta do momento era: o que teria acontecido de tão ruim na base da economia nacional para que o mercado virasse de cabeça para baixo e o país verificasse uma escalada sem precedentes do dólar e a conseqüente elevação das taxas de juros?  
Paraíso não vivíamos, é claro.  
Mas também não estávamos em um inferno.  
Nos fundamentos, a economia se mantinha estável com as contas públicas equilibradas, dívidas externas e internas controladas e superávit primário, entre outros indicadores que mostravam com clareza que a turbulência era muito mais imaginária do que real.  
Hoje, passadas as eleições, parece claro que o que realmente assustava e levava o mercado a especular com tanta insensatez era a preocupação com o resultado das urnas. Em todos os momentos, eles pareciam querer dizer que Luiz Ignácio Lula da Silva amedrontava os investidores internacionais.  
A opinião dos especulares pouco importou e a população optou mesmo por Lula.  
E novamente, sem ter grandes e convincentes explicações, o mercado financeiro dita as regras e provoca novas mudanças. Eles parecem brincar com a população que observa atônita a queda do dólar e a melhora da avaliação do Risco Brasil.  
O problema é que mesmo com o dólar em queda, toda a turbulência causada pelas especulações atingiu em cheio o bolso da população. Milhões de brasileiros estão fora do mercado consumidor porque as indústrias precisam repassar os aumentos de custos com a alta do dólar e o governo insiste na política de juros altos para conter a inflação.  
Lamentável todo este clima.  
O que fica para o presidente que assume é a certeza de que será preciso muito mais do que simples boa vontade para acertar toda a agitação vivida no mercado financeiro nos últimos meses.  
Quem depositou em Lula todas as esperanças de que ele vai mudar o país rapidamente, é melhor cair na real. O primeiro e grande desafio do presidente eleito será colocar a economia nacional de volta aos trilhos. Só depois é que ele poderá pensar em colocar, na prática, discursos como o “fim da fome”.  
A nós só cabe esperar e desejar que tudo isto não mais se repita.



Copyright © 2001, Vida Brasil. - Todos os direitos reservados.