Vidabrasil circula em Salvador, Espírito Santo, Belo Horizonte, Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo Edição Nº: 309
Data:
30/6/2002
Capa | Edições anteriores| Assine já | Fale com a redação
Página visitada: 1373499 vezes
» Índice
» Editorial
Faces públicas e faces ocultas  

» Autos
Conheça o novo Maserati, um carro esportivo mas de bom desempenho também na cidade
» Turismo
Saiba um pouco mais sobre alguns dos parques naturais do Oeste norte-americano
» Turisnotas
Vasp recupera o terceiro lugar no mercado nacional, que havia perdido para a Gol em abril
» Social Degustando no Villa
Degustando no Villa
» Social Grandi: homenagens merecidas
Grandi: homenagens merecidas  

Turismo

Pelo oeste afora  
 
Yosemite, o Grand Canyon, Monument Valley, parques naturais do Oeste americano  
que o imaginário cinematográfico ajudou a transformar em ícones. Entre as epopéias de John Ford e o obstinado coiote eternamente ridicularizado pelo  
“bip-bip”...  
 
Monument Valley encarna com perfeição o faroeste e todas as suas lendas. Quase podemos imaginar  
Billy the Kid surgindo por entre as “mesas”, num galope desenfreado e revólver em punho  
 
Na América tudo tende para o colossal, e a natureza não foge à regra. De todas as 350 áreas naturais e históricas protegidas dos Estados Unidos da América – que abrangem uma superfície até três vezes superior ao território de alguns países europeus – selecionamos cinco parques naturais por serem os mais deslumbrantes, de paisagens infinitas e escorregadias para qualquer objetiva fotográfica.  
O Bryce Canyon National Park, na reserva de Kodachone, deslumbra-nos com uma série de anfiteatros e labirintos, esculpidos em rochas matizadas. Ao percorrermos as trilhas deste parque, entendemos o motivo que levou os índios paiute a considerarem como sagrada esta paisagem. A lenda diz que ofenderam o Coyote e que este, enfurecido, os transformou a todos em pedra. São eles que ainda hoje nos olham, ao longo das escarpas. Uma explicação mitológica a justificar as catedrais rochosas dos planaltos, torres que apontam para o céu imensamente azul do Utah. Todas estas agulhas e pináculos de cores vivas e variadas dependem dos caprichos do Sol. As mudanças de perspectiva e de luz aumentam ainda mais a sensação de que estamos rodeados de formas fantasmagóricas. E é com elas a bailar-nos no olhar que deixamos a “terra santa” dos paiute para trás.  
Desnível e vertigem – O parque do Yosemite, cerca de 320 quilômetros a leste de São Francisco, é famoso por várias razões. Primeiro, existe o Half-Dome, uma monumental mole granítica com 2.640 metros de altura. Porém, os que gostam de escalar e são mais corajosos preferem, habitualmente, o El Capitain, uma surpreendente fraga, com mais de 1.000 metros de desnível. É preciso percorrer este parque a pé e visitar o mirante do Glacier Point, situado a 2.400 metros de altitude, numa vertigem de quase mil  
metros a pique, até ao fundo do vale.  
Famosas são também as quedas-d’água Yosemite Falls, com seus 720 metros de queda divididos em duas seções. Estas são as terceiras quedas-d’água mais altas do planeta. No próprio parque, a paisagem muda bruscamente: de florestas de pinheiros e sequóias – as árvores mais altas do mundo –, pas-  
samos a uma paisagem árida e monótona.  
Mudando de parque, ao sabor da fumaça índia, passamos por Monument Valley, a sul do Utah, que se estende a Navajoland, onde residem cerca de 150 mil índios navajo. Aqui, a passagem é esmagadora e impressiona pelos penhascos estruturais designados por “mesas”. Este planalto do Colorado foi escavado pela erosão, originando um vale imenso, no qual sobressaem estes fantásticos pináculos, elementos sagrados para a espiritualidade índia, durante séculos. É aqui que se sente mais o eterno conflito entre o índio e o “cowboy”. Monument Valley encarna com perfeição o faroeste e todas as suas lendas. Quase podemos imaginar Billy the Kid surgindo por entre as “mesas”, num galope desenfreado e revólver em punho. Ainda no Utah, o Zion National Park é cenário de escarpas rochosas. Seguindo pelo “West Rim Trail” até ao Angels Landing, a trilha torna-se vertiginosa. Quem for até “The Organ”, um agressivo esporão com paredes de 250 metros a pique até ao rio Virgin, fica totalmente deslumbrado. É incrível como este rio, a partir da sua nascente, foi escavando lentamente o planalto até criar desfiladeiros mágicos. Em Zion, as montanhas são tão grandiosas que temos a impressão de estar mais perto de Deus. Talvez por isso, os mórmons tenham se estabelecido nesse Estado.  
Rasgando o planalto – Um dos parques naturais mais visitados em todo o mundo é o Grand Canyon, com mais de quatro milhões de visitantes anuais. O grande responsável por esta paisagem é o rio Colorado, que, ao longo de seis milhões de anos, foi rasgando o planalto. Para descer ao rio, a partir do planalto, e regressar, é necessário vencer um desnível superior a três mil metros e suportar temperaturas extremas. O ideal é fazer um “trekking” no Grand Canyon mas descendo ao Colorado. Esta caminhada grande, rumo ao fundo do desfiladeiro, é extenuante, mas permite observar uma abundante vida selvagem por entre coiotes e pumas. A partir do principal acesso ao Grand Canyon, o South Rim, existem caminhos populares que descem ao rio. Fazer este percurso, descendo ao abismo, provoca uma admiração tão grande e serpenteada como a própria paisagem.  
Em comum, os parques têm a imensidão americana, espaços infinitos que a nossa imaginação preenche, com a ajuda da magia das tribos índias que parece ainda pairar no ar seco. Uma viagem mística, onde nos sentimos pequenos mas muito gratos  
 
Em Zion, as montanhas são tão grandiosas que temos a impressão de estar mais perto de Deus. Talvez por isso, os mórmons tenham se estabelecido neste Estado  
 
A paisagem e os homens  
Viajar é na primavera ou no outono. No verão, só mesmo os mais corajosos, porque as temperaturas são muito elevadas e não combinam com altas caminhadas. No inverno, o frio e a neve também não são boa companhia para passeios. Ver e respeitar a cultura índia é uma exigência. Cuidado com as fotografias e gravações vídeo: se algumas tribos não se importam, outras aceitam-na mediante o pagamento de alguns dólares. Quando tiver contato com as tribos, outras regras obrigam o turista civilizado a não interromper um ancião quando este fala, a não entrar em casa de alguém sem ser convidado, a não vestir roupas ousadas e a não levar álcool. Os índios ainda não esqueceram que as bebidas alcoólicas ajudaram a dizimar as suas civilizações.  
 


Todas estas agulhas e pináculos de cores vivas e variadas dependem dos caprichos do Sol
Yosemite Falls
Brice Canyon Brice Canyon
Yosemite National Park
Povoação perto de Brice Canyon National Park
É preciso percorrer este parque a pé e visitar o mirante do Glacier Point, situado a 2.400 metros de altitude,numa vertigem de quase mil metros a pique
Monument Valley
Grande Canyon National Park
Zion National Park
Monument Valley

Copyright © 2001, Vida Brasil. - Todos os direitos reservados.